“A missão que tenho é ser jogador e falar de Deus”, diz Neto um ano após tragédia

5
ProgramaNoitecomDeusNovo.jpg

Esta semana, uma das maior tragédias da história do futebol está completando um ano. Na madrugada de 29 de novembro de 2016, morreram 71 pessoas, entre elas jornalistas, convidados e tripulantes, jogadores, membros da comissão técnica e da diretoria da Chapecoense.

Entre os sobreviventes está o zagueiro Neto, que se tornou uma peça importante na vida das famílias das vítimas. Esposas e filhos de Bruno Rangel, Gil, Ananias, Willian Thiego e tantos outros tem buscado amparo nas palavras de Neto para seguir em frente.

BANNERPUBLICIDADE720x90.jpg

“Me sinto na obrigação de mostrar que eles (vítimas) estão melhor do que eu. Muitas vezes, eu sinto a dor que elas (esposas) estão sentindo”, disse Neto ao Globo Esporte. “Sou um privilegiado. Não sou melhor do que ninguém. Não quero externar o que sinto, mas muitas vezes meu semblante diz o meu sofrimento. Me sinto muito abraçado por Deus e por pessoas que têm me ajudado a reerguer minha vida”.

Ao longo deste ano, parte da agenda do zagueiro tem sido voltada para a recuperação nos gramados, familiares e igrejas ao redor do Brasil, onde tem compartilhado seu testemunho. A história de sua vida também é contada no livro “Posso crer no amanhã”, lançado em setembro.

“Como vou nas igrejas, recebo muitas mensagens de que meu testemunho mudou o pensamento em relação a vida. Quando você ajuda o próximo, automaticamente está se ajudando. O que eu sempre procuro falar: ‘Tenha bom ânimo, vai dar certo, uma hora as coisas vão virar’. Acho que é a missão que tenho: jogador futebol e falar da missão de Deus”, disse o atleta.

Com um sorriso no rosto, Neto acompanhou depoimentos das viúvas da Chapecoense, em uma homenagem de 12 minutos preparada pelo Globo Esporte. Nela, as mulheres falam da importância do jogador na superação do luto.


Neto assiste uma homenagem produzida por viúvas de atletas da Chapecoense. (Foto: Cahê Motta)

“O Neto é uma pessoa incrível. Acho que é a pessoa mais humana que já conheci. Tem uma preocupação que acho que ninguém tem. Não é de agradar, mas não de interferir tanto no outro, na dor… Me sinto mais forte convivendo com ele”, disse Sirli, viúva do assessor de imprensa Cleberson.

“Falar de Neto me traz um conforto muito grande no coração. Sinto admiração, orgulho, amor a ele e a família dele… Por ser ele um dos sobreviventes, representa um pouco dos meninos, aquela amizade, união, valores… Sinto que ele sofre um pouco da nossa dor, a compreensão dele é diferente”, afirma Bárbara, viúva de Ananias.

“Sabia que ele ia representar Gil. Ele é família. Encontro a essência de Gil nele. Muitas vezes, ligo e ele consegue me acalmar, me fazer pensar diferente, me mostrar um outro olhar. É muito presente na nossa vida. Sem dúvida, foi uma força positiva que encontramos. Em campo ou fora de campo, seremos sempre uma família”, expressa Val, viúva de Gil.

“As vezes que falei, o Neto passou muita tranquilidade. Dizia que o Bruno não sofreu, que ficou tranquilo. Ele passa paz, conforto. É como se visse um pedacinho do Bruno. Vai ter que aturar a gente, agora é família também. Pegamos amor de família (risos)”, conta Girlene, viúva de Bruno Rangel.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE GLOBO ESPORTE

VEJA AQUI AGORA: Este é o seu canal de notícias no Youtube.
Igrejas podem e devem pagar impostos também”, defende Doria

BannerElos640x90.jpg